14/04/14

ELECTRO: Retrospectiva das melhores capas nos comics

Spidey VS Electro


A primeira vez... O primeiro confronto em Amazing Spider-Man #9 (1963)





Outras belas capas clássicas contendo Electro:







Diversas aparições em outras séries de Spider-Man:

Ultimate


Marvel Ages e Marvel Adventures


 Astonishing e Saga Chapter One 





E os melhores desenhos da actualidade:





13/04/14

1942 na Disney...

Esqueçam The Avengers.
O verdadeiro crossover da Disney seria juntar duas marcas que lhes pertence: Marvel + Indiana Jones!
O Capitão América e o Indy juntos numa aventura contra nazis. Estão ambos na mesma linha temporal, cronologicamente falando poderia ser uma interquela (entre o First Avenger e o Winter Soldier).
Caramba, até mesmo o Temple of Doom se passa antes do Raiders...



E não poderia ser nada idiota, já que no primeiro filme, houve uma referência ao facto de poderem existir no mesmo Universo:



Para consolar, resta-nos este fan-art de Dan Hipp...

11/04/14

Pepakura custom-made: Rocketeer Helmet!

As bricolages passaram para outro patamar... Deixei as DVD-BOX de lado por uns tempos (que regressarei a elas lá para o Verão) e atirei-me para a tara das taras: Pepakura!

O que é isso de Pepakura? É um a ferramenta para trabalhar o papel no clássico "dobrar e colar". Vulgo Papermodel/Papercraft. O software torna tudo muito mais intuitivo, dizendo directamente qual o pedaço que pertence e onde ele irá parar... Experimentem um dia, vão gostar...


Ora, eu comecei pelo capacete do Rocketeer. Fácil de construir, mínimo pormenor, easy cake...
Pensava eu.
Este projecto durou-me pelo menos 5 meses, desde o papel à pintura final, e outros 4 meses até lhe criar a base de apoio e arranjar-lhe o cinto para prender.

Após imprimir e recortar todos os pedaços, tudo reunido e colado dá isto:


Podem ver pelo interior que se tratam de caixas de cartão de cereais: É papel grosso e menos propício a dobrar e rasgar.


A próxima fase já é menos EVT e mais Trabalho Obral. Entra em cena Fibra + Resina de Vidro:
Vai dar a rigidez e solidez de uma barra de ferro. É aquilo que as oficinas usam no bate-chapas.
Uma camada de resina por fora e revestido por dentro (cuidado com os cheiros ultraviolentos do químico!)
Ao mesmo tempo, inseri-lhe o aileron traseiro feito de contraplacado, para se aguentar bem.


Outra fase massiva:
Cobrir tudo com massa de polir, "daquela para automóveis, 'tás a ver"....
(cuidado com os cheiros ultraviolentos da massa!)


A parte mais chata: Lixar tudo.


Pormenorizar.


Corrigir.


Aperfeiçoar.
 


No interior, cobri tudo com pasta de moldar de secagem rápida, pois a fibra de vidro que se impunha deixava-me as mãos numa lástima...


Por fim, pintura com duas demãos...


E tratamento para simulação de envelhecimento e sujidade, para maior realismo.



Produto final, com display stand também criado cá em casa (reutilizei um arranhador para gatos)
 








Podem conferir o produto oficial da Master Replicas e fazer comparações...

08/04/14

O som da preguiça

Na net enquanto a TV vai debitando filmes ao acaso no canal Hollywood. Estou desatento e nem olho para o ecrã. Mas a dada altura, um som aflitivo ouve-se na banda sonora do filme em questão.
"Que filme é este?", olho para a TV e deduzo rapidamente tratar-se do Enemy at the Gates, com o Ed Harris em modo sniper no meio de ruínas. 
"Arrisco dizer que a banda sonora do filme foi composta pelo James Horner...". Os dedos teclam rapidamente no IMDB e constato, chocado que se trata na verdade desse nome.
Fico chocado, não comigo, por ter adivinhado o compositor de um filme menor (geeks, somos mesmo assim), mas sim chocado pelo facto de ter deduzido pelos curtos acordes que ouvi nesse momento: É que são uma bengala sonora desse James Horner. Uma batotice, que ele emprega em outros filmes dele.

Há uns anos, fiquei aborrecido por reciclar melodias do Willow para o Avatar de James Cameron. Na altura ele até foi nomeado para Melhor Banda Sonora. Não ganhou, e ainda bem. Porque aqueles acordes ficaram-me atravessados...
Mas agora concluo que na verdade, ele estava a copiar uns acordes que já tinha usado pelo menos outras duas vezes!
Comparem nos clipes seguintes e constatem a semelhança:

Willow, todos os primeiros minutos variam em redor deles. São os mais impactantes e ouço-os como parte integrante do filme. The Real Deal.


Enemy at the Gates, logo no início pelos 30 segundos.



Em Avatar, começam a surgir a partir dos 4m 50s ...

30/03/14

Poster Caseiro: Em Busca da Esmeralda Perdida

Romancing the Stone, para todo o mundo...
Faz este dia 30 de Março 30 anos desde a sua estreia nos cinemas.



Também visível nas páginas do Facebook e Deviantart.

25/03/14

Isto vai acontecer a 22 de Maio

... Só fica por esclarecer quem irá ser desintegrado. Porque Wolverine não será (ele tem as coisas para resolver na viagem ao passado).

Eu aposto em Colossus. Ficando apenas a armadura metálica para a posteridade.


18/03/14

Roupa da treta

Descobri esta noite. Caiu-me tudo ao chão.
Quando eu pensava que a vestimenta da dupla de Conversa da Treta (e consequentemente o Filme da Treta) era uma imagem icónica no audiovisual, que se destacava pela sua originalidade...
Estava redondamente enganado.


Retirando da Infopédia, "Conversa da Treta: Peça teatral criada por José Fanha e estreada no Auditório Carlos Paredes, Lisboa, em 1997. Foi encenada e interpretada por António Feio e José Pedro Gomes, com cenário e figurinos de António Jorge Gonçalves, música de Manuel Faria e desenho de luz de João Paulo Xavier. Zezé e Toni são dois amigos que encetam diálogos do quotidiano onde fazem as mais variadas considerações sobre temas como a política, o futebol, o casamento, o sexo, os seus sucessos e insucessos pessoais, ao mesmo tempo que vão reproduzindo com humor os tiques das personagens que criticam. Enorme sucesso de público, a peça passou depois para o Teatro Villaret e iniciou digressões pelo país, sempre com lotações esgotadas. Por esse facto, acabou por ser adaptada à televisão e à rádio, surgindo depois uma sequela - A Treta Continua - com textos de Eduardo Madeira, Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins"

 "Figurinos de António Jorge Gonçalves", ah! Concerteza deve ser um fã nº 1 de um filme chamado...
The Adventures Of Ford Fairlane.

Que filme é este? É uma comédia de 1990 realizada por Renny Harlin (sim, no mesmo ano em que lançou o extremamente popular Die Hard 2) que, justificando a razão porque estou a falar nisto, o personagem principal surge no filme com as mesmas roupas que o Toni (interpretado por António Feio).
Abaixo, temos um exemplo a demonstrar a semelhança:


E antes que comecem a adiantar coincidências, até mesmo a personalidade tem alguns traços de comparação com a do tuga. Podemos verificar isso no trailer.



Pá... Nem quero imaginar donde virá a inspiração do fato do José Pedro Gomes...