27/08/08

O desabafo

E porque todo o hype de The Dark Knight traz também incongruências...

Não gosto quando o pessoal vem argumentar que The Dark Knight é "dos mais rentáveis da história", apenas baseado nuns números inflacionadíssimos... Como sabem, o box-office americano rege-se pelos dólares (puros capitalistas, pfff) e não pelo número de espectadores. A INFLAÇÃO é uma coisa tramada e isso afecta também os filmes! Se aqueles americanos contassem como o resto do mundo (pelo menos na sua maioria) isto seria outra conversa totalmente diferente. Eles estão é a tapar os olhos ao público, escondendo a média de espectadores diminuir de ano para ano. Mesmo assim, o novo Batman merece o reconhecimento. Mas estará a ser bem interpretado?

Bater Star Wars de 1977 do segundo lugar dos mais rentáveis é obra. É sim, obra de manipulação nos números e na arrogância de uma nação puramente capitalista, apostada em rentabilizar os produtos do presente e esquecer (humilhar?) os do passado.
Em 1977 o preço de um bilhete mantinha-se em média pelos 2,23 dólares. Hoje estão a 7 dólares (e a subir...). Ora, se contássemos por número de espectadores, a verdade viria logo à tona. Sendo este caso sobre o preço do bilhete , teremos que puxar da calculadora e fazer contas. Resultado inflacionado para o fenómeno da Guerra das Estrelas se tivesse custado 7,08 o bilhete: $1261 milhões!! Mais do dobro do sucesso deste ano! É verdade que vos estou a omitir diversas re-estreias a preços diferentes, mas mesmo assim manter-se-ia como superior ao Morcego...

Está também na moda gritar bem alto que Titanic é INAFUNDÁVEL (ironia das palavras) no Box-office, com os seus 600 milhões. Ora este colosso regista-se em 6º na lista dos mais rentáveis em NÚMEROS AJUSTADOS.


Não perdendo mais tempo, aqui vai a lista dos supra-sumos, a verdadeira lista dos sucessos (é só clicar no link).
Reparem que O Dark Knight está agora a ultrapassar o Independence Day e o Spiderman. Ena, que grande sucesso nos saiu na rifa. Na casa dos trinta...

Outra das injustiças é apresentarem apenas os sucessos da casa e impingirem assim para o resto do mundo as preferências dessa mesma nação. E os resultados além-fronteiras? O resto do mundo que faz somar muitas vezes mais do dobro da receita! Não me chaguem...
O real problema de bater recordes nos dias de hoje é que já não há estreias em grande, com um filme a dominar as salas durante meses, como há décadas atrás. Hoje, por cada semana, estreiam 3 ou mais filmes em catadupa. Isso faz repartir as receitas entre si. Ah e claro, o DVD e a pirataria na internet ajudam à festa.

Se o desabafo foi enorme ou exagerado, é apenas porque fico frustrado por toda a gente gostar do sensacionalismo dos números inflacionados. Pelo meu lado, também adoro Box-office e fico feliz quando um filme de que gostei arrecade muito dinheiro. Mas cada expressão no seu lugar... Vamos olhar para os números com algum senso e razão. Não vamos elevar aos céus qualquer filme que "bata recordes" a toda a hora. Por mim ainda estou à espera de um sucesso do tipo Gone With The Wind.

12 comentários:

Peter Gunn disse...

Tu és mau!!! :P

Mas concordo perfeitamente com a tua analise, especialmente porque, como todos já sabemos, quantidade não é sinonimo de qualidade!

O que não falta ai são filmes que fizeram optimos resultados de bilheteira e no fim não são nada de especial (os Piratas das Caraibas 3, o Indy 4, entre outros, são disso um bom exemplo).

Depois se efectivamente formos comparar os numeros de bilhetes vendidos e não do valor alcançado podemos facilmente ver que um filme nos anos 70 com 100 milhoes de lucro conseguiu ter mais 3 ou 4 vezes espectadores do que um que actualmente tenha rendido 500 milhoes, e mesmo assim isso não quer dizer nada em relação à qualidade do filme. Uma casa cheia não faz um bom filme. O marketing é que pode ser enganador pois como se costuma dizer, a publicidade de boca é a melhor publicidade de todas... e nem sempre o produto que compramos corresponde ao que pretendemos ou ao que esperavamos.

No caso do Dark Knight acho que cada dolar é muito bem ganho pois o filme é realmente um regalo para o olho de qualquer cinéfilo ;)

Um abraço

membio disse...

concordo com o que dizes, é claro que em comparação com os tempos antigos, as salas de cinema enchiam e de que maneira, rentabilizando um filme por largas semanas, acho que os últimos foram mesmo o senhor dos anéis e o Titanic, mas estes são os verdadeiros blockbusters, que rendem ainda mais que os outros blockbusters, porque existe aqui o passa palavra por entre o público. Agora a publicidade é feita para induzir a algo que não é verdadeiramente o real por isso é que saímos do cinema muitas das vezes com aquele sabor a insuficiência e o "que se fala" na net é precisamente o contrário, que é um grande filme, uma grande história, como foi o caso do hellboy 2 que tem uma pontuação de 88% no RottenTomatoes.

brain-mixer disse...

Peter eu não sou mau. Eu só disse o que me vai na alma já há imenso tempo...
São enganos frequentes e que apenas posso exprimir o descontentamento no meu espaço :P

Membio, essas pontuações dos sites também daria que falar. Vai-se ao IMDB (onde qualquer registado pode votar nos filmes) e encontra-se quase tudo acima dos 6 valores (em 10 possíveis...). Assim parece que todos os filmes são óptimos LOL

Ahhh, melhor mesmo só quando o The Dark Knight ocupou durante semanas o 1º lugar dos melhores 250. Que exagerado... Tudo se torna efémero, é o que vale.

Abraço!

JBM disse...

hmmm... E então, por exemplo, na altura em que estreou o Tudo Vento Levou (o primeiro lugar na lista), e até mesmo o Star Wars de 77, quais eram os filmes que lhes faziam concorrência? Quantas opções havia nas salas? De certeza que não tantas como nos últimos anos em chegam a estrear dois ou três candidatos a blockbuster na mesma semana. De quem é então o maior mérito? Daqueles que dominavam sem concorrência ou dos que se mantém em primeiro mesmo perante a concorrência (embora por pouco tempo)?

Eu como já te disse acho que os números valem o que valem. Tanto a lista "capitalista" como essa tem as suas incongruências. São épocas diferentes. Não se podem comparar assim. :)

brain-mixer disse...

De facto essa é uma boa análise JBM. Tem os seus pontos de defesa, já que é realmente um mérito levar de vencida a tanta concorrência hoje em dia (será mesmo? Ou estarão os grandes estúdios a dominar o mercado, a estrangular o cinema indfependente e mesmo o europeu?...).

Mas nesse ponto de vista, eu refiro no meu texto "O real problema de bater recordes nos dias de hoje é que já não há estreias em grande, com um filme a dominar as salas durante meses, como há décadas atrás". Eu já estava consciente desse problema. Mas fazes bem em aprofundar isso! EU acho importante estas coisas serem vistas de modo mais concreto, falando de razões e respostas aos 'porquês' que tanto se perde nos sites americanos.

É verdade que escrevi este desabafo após ler o teu artigo e que eu comentei, embora noutros blogs também se referiam como tal erradamente. Mas já desde a loucura dos recordes batidos pelos "melhores estreias de fim de semana" com os Spiderman's, Piratas e outras bombas que isto me vem chagando a cabeça... :P

Espero que a malta continue a dar corda a este tópico porque é essencial que se converse entre nós. Ajuda a reflectir e aprender uns com os outros ;)

Abração amigo

RJ disse...

Pensei logo nisto quando há uns dias vi em nota de rodapé no telejornal da TVI anunciar que o The Dark Knight se tinha tornado no terceiro mais lucrativo de sempre, eheh.
Claro que isto de anunciar um blockbuster recém estreado como um dos melhores de todos os tempos, é também usado como publicidade, já que a maioria falha em se lembrar destas incongruências. Mas os responsáveis pela divulgação da informação, como é o caso dos jornalistas do canal de televisão, não se incomodam a pensar na variação de preço dos bilhetes. É que "terceiro melhor de sempre" faz uma bela manchete.

É sem dúvida uma questão a ser debatida, e acho que o que é levantado pelo caro JBM, é também para ser reflectido. A questão do mérito é interessante.
Nos dias que correm estamos habituados a ouvir falar em grandes produções, filmes com grandes orçamentos, muitos efeitos especiais, fantasia, etc, na altura em que o Star Wars surgiu, era novidade por introduzir um género, e dar as pisadas no que se tornou o Cinema de blockbusters.
Os tempos também alteraram o que é ou não novidade para as pessoas, e é compreensível que na altura o Star Wars tenha arrecadado uma grande quantia.

Para analisar a questão do mérito, acho que também é importante analisar a mentalidade dos espectadores e a forma como se consome o Cinema nos dias que correm, como produto que faz girar as rodas de indústrias de milhões, e aquilo que atrai ou não alguém às salas, com o mudar dos tempos. Mas num mundo recheado de blockbusters todas as semanas, é de facto meritório que alguns se destaquem e obtenham quantias muito maiores que outros.
Ser um dos maiores de sempre é muitas vezes usado como publicidade.

Grande abraço!

miguel disse...

Não costumo ouvir as pessoas a dizerem que é um dos filmes mais vistos de sempre, mas sim um dos mais rentáveis, pelo que não percebo muito bem o intuito do teu desabafo, caro Edgar. Dark Knight é um dos filmes que gerou mais dinheiro em menos tempo em exibição e isto é inegável. Isto vale o que vale.
Cumprimentos ;)

brain-mixer disse...

RJ, isso das notícias televisivas também tem o seu quê... Ou se baseiam em informações ambíguas ou erradas, ou pura e simplesmente não dão notícia. Já lá vai a utilidade das notícias cinéfilas do fait-divers...

Miguel, se puderes ler com atenção (será que leste?), podes confirmar que refiro os "mais rentáveis" diversas vezes. A primeira delas logo no primeiro parágrafo... Humm por isso creio que o teu comentário não combina com o meu texto, certo? Inegável é ler duas vezes antes de comentar, eheheh.
Mas obrigado por te exprimires ;)

Cumprimentos aos dois

miguel disse...

Parece-me a mim que o comentário feito acima se encontra totalmente no seguimento do teu texto. Tu referes que Star Wars teve muito mais espectadores que Dark Knight, eu digo que ninguém diz que Dark Knight é um dos filmes mais vistos de sempre; tu exploras que os lucros hoje em dia são bastante mais altos que nos anos 70 devido à inflação e preços e bilhetes e etc, eu digo que ainda assim Dark Knight é um dos filmes que mais dinheiro gerou (não em comparação com a situação monetária de cada época). Aliás, a expressão "Isto vale o que vale" refere-se precisamente ao facto de eu não ter balançado os lucros em bilheteira com a respectiva época. Não sei em que é que isto surgiu em desacordo com o teu post, mas tu lá hás-de saber.
Os meus cumprimentos, brain. ;)

brain-mixer disse...

Não compreendo a tua confusão, Miguel. O que está em causa é a inflação, não o número de espectadores... É claro que o The Dark Knight tem o mérito de ser um sucesso hoje em dia no meio de tantas estreias, como o JBM bem alertou, mas o ponto fulcral aqui é se todos os filmes vendessem os bilhetes ao mesmo preço como estaria a tabela?

Outra coisa que me lembrei entretanto é sobre a rentabilidade dos filmes. Na verdade, estamos ambos errados ao afirmar tudo o que já dissemos :P
Rentáveis foram aqueles filmes que com o investimento feito, geraram lucros astronómicos... Caso flagrante (e penso que primeiro na lista) é o Projecto Blair Witch... :D

Obrigado por debateres conosco Miguel, continua a passar por cá ;)

Peter Gunn disse...

Esta parte final do ultimo comentário é outra boa ideia para dar uns bons tops... os maiores flops de sempre em relação ao dinheiro investido/dinheiro gerado assim como o contrário, os que com 1000 dolares deram 100.000!!!! :P

O Blair Witch Project é uma das maiores referências sem dúvida mas... quem se pode esquecer do 1º SAW por exemplo?

Um abraço

brain-mixer disse...

Peter, que não seja por isso :P

A lista dos menos proveitosos no box-office:

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_U.S._and_Canadian_box_office_bombs



Outras tantas listas de sucessos (no qual o de "Most Profitable Movies, Based on Return on Investment"):

http://www.the-numbers.com/movies/records/budgets.php


Abraço