26/11/07

A Besta

"Filmes Portugueses JAMAIS realizados"

Aqui visada a ausência para valorizar projectos ambiciosos no cinema português. Uma análise de como poderia ser apoiado tanto pela visão espectacularmente exagerada do realizador, como na nossa realidade acaba por ser cepticamente avaliada como improduzível em géneros nunca explorados no nosso cinema. Apoiando-se bastante em géneros históricos, épicos e grandes orçamentos, filmes nunca feitos, nunca produzidos e até talvez mesmo delírios que nunca ninguém se atreveu levar avante... Transformando o nosso "cinema" numa espécie de blockbuster tuga, produto comercial e de entertenimento.


Storyline
Um incêndio de grandes proporções devasta milhares de hectares de floresta antes de ameaçar uma área urbana nas proximidades. Inúmeras equipas de bombeiros de todo o país juntam-se para eliminar o perigo.

Orçamento

Num projecto provavelmente muito dispendioso, surpreendeu pelos apenas 25 milhões de euros que foram necessários para criar em estúdio todo o cenário necessário para captar a acção "close-up". Os exteriores e planos gerais foram filmados em locais reais manipulados digitalmente. Ah e uma equipa inglesa de SFX fez-nos um bom preço...

Recepção do Público (Boxoffice)
830 mil espectadores viram nas telas de cinema, no ponto de vista de uma ficção, aquilo que vêem todos os anos pelo verão através da televisão. Foi o suficiente para atrair o olhar voyeur de desgraça que "nós" sempre temos no dia-a-dia.


Recepção da crítica
A carga dramática que se adensa na narrativa foi um trunfo para agarrar alguns dos críticos mais sentimentalistas. Para os de barba rija, o portento visual espectacular foi decisivo para o aclamar como uma obra sem igual no historial do cinema luso. Conseguiu atrair a crítica estrangeira graças a uma óptima campanha nos festivais internacionais.


Momento do filme
A calamidade provocada pelas dimensões que o fogo atingiu está ao rubro na vila mais próxima da floresta. O ambiente caótico com mulheres a gritar, crianças a chorar, habitações carbonizadas. Quando a gasolineira acaba por explodir numa bola de fogo em directo para as televisões com helicópteros nas redondezas, acabamos por nos dar conta de que aquilo é um verdadeiro cenário de guerra.

7 comentários:

Sam disse...

É, sem dúvida, "material" para um filme português, visto retratar um drama que se repete todos os Verões.

Não me admira que, nos States, alguém faça uma dramatização em torno dos incêndios que recentemente afectaram a California.

Cumps. cinéfilos

brain-mixer disse...

Já imaginaste a bola de fogo que este filme seria nos cinemas? Não vejo ninguém com mãos para isto... Mesmo nos States há-os poucos :P
Cumprimentos Samuel ;)

Anónimo disse...

Excelentes ideias Edgar.

Acho é que seria necessária uma "mãozinha" dos americanos para realizar estes blockbusters... Não sei se haverá em Portugal algum Michael Bay... :P

RJ/KritiCinema
http://kriticinema.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

poderiamos fazer filmes em parceria com os americanos como muitos filmes franceses.

brain-mixer disse...

Acho que nem os americanos sabem o que têem em mãos, quanto mais envolverem-se com o nosso cinema :P
É mais seguro associarmos diversos países europeus e criar umas co-produções conjuntas...

Abraços!

Johnny T. disse...

Facto Curioso (e algo triste): em tempos comecei um guião que não era muito longe desta ideia (mas eu chamava-lhe "Verão Quente") que acabou por ir parar à gaveta após algumas reuniões de

"opah, tás mas é maluco, e dinheiro para fazer isso? pensa é em coisas baratas e de interesse nacional"

Acho que estavam a falar de uma hd e do bairro das fontainhas...

e assim ardeu um belo blockbuster português!

brain-mixer disse...

Johnny, junta-te mas é a mim e revolucionamos o cinema tuga!
(E não desvalorizes o HD, hoje em dia fazem-se coisas geniais. Michael Mann e David Lynch já se renderam ao formato)

Por falar em "filmes caros", dá uma vista de olhos neste vídeo:

http://brain-mixer.blogspot.com/2008/02/3-designers-4-dias-cv-para-lucasfilm.html